Amós Oz: ‘Trump não entende nada de Oriente Médio’

 

A entrevista com o escritor israelense Amos Oz ocorreu dentro de seu modesto apartamento no 12º andar, com vista sobre a baía de Tel Aviv. Desde a eleição de Donald Trump como presidente dos EUA, Oz, que aos 70 ainda tem muito de sua fúria e paixão, tem sido crescentemente pessimista sobre o futuro. Uma cópia alemã da nova edição de “The Seventh Day“, um livro que ele editou, está na mesa de centro. Após a Guerra dos Seis Dias em 1967, ele entrevistou soldados israelenses sobre suas experiências na guerra. O conflito terminou com a ocupação da Faixa de Gaza, Cisjordânia e Jerusalém Oriental.

Spiegel: Sr. Oz, você passou décadas defendendo uma resolução do conflito no Oriente Médio. Agora, Donald Trump tornou-se o primeiro presidente dos Estados Unidos a dizer que não insistirá mais em uma solução de Dois Estados. Foi um choque para você?

Oz: Pareceu-me um senso de humor bizarro. Ele basicamente disse: Um Estado, dois Estados, façam o que quiserem. Eu não acho que isso foi uma declaração séria da política americana. Este era ele dando de ombros e dizendo: Quem se importa com isso? Eu acho que ele nem tem a menor idéia do que quer fazer no Oriente Médio. Talvez precise de mais tempo para pensar sobre isso. Talvez  vá tomar conselhos de alguém. Mas ele certamente não disse: “Caro Sr. Netanyahu, se você quiser a Cisjordânia, sirva-se, a América vai apoiar.”

Spiegel: Ainda assim, uma solução com Dois Estados soberanos – Israel e Palestina – parece estar longe na distância. Na preparação para esta entrevista, imaginamos que você não acha que os acontecimentos dos últimos dias foram muito divertidos.

Amós Oz

Amós Oz

Oz: Eu ficaria feliz se você pudesse me revelar o que o novo governo está planejando para o Oriente Médio. Eu realmente não sei. A julgar pelo que vi na conferência de imprensa bastante incomum com Trump e Netanyahu, não acho que existe uma idéia clara na administração dos EUA sobre a política, ainda. Qualquer coisa poderia estar na mesa.

Spiegel: Durante as últimas décadas houve um sentimento de que o mundo estava ficando cada vez melhor, que a democracia e a modernização estavam progredindo. Estamos agora assistindo a um contra movimento?

Oz: Temos um presente maravilhoso de Stalin e Hitler, que eles nunca tiveram a intenção de nos dar. Fomos imunes por 60 anos, ou mais, à agressão, ao racismo e ao militarismo. Eles nos tornaram parcialmente imunes a essas coisas. Agora, parece que este Stalin-Hitler presente chegou à sua data de vencimento. Então, talvez estamos apenas emergindo de uma idade relativamente dourada. Digo ‘relativamente’ porque essa “idade de ouro” também incluiu Vietnã e África do Sul, bem como a Iugoslávia. Mas vivemos uma época relativamente dourada entre o fim da Segunda Guerra Mundial e o 11 de setembro de 2001.

Spiegel: Mas em termos do conflito no Oriente Médio, quase nenhum progresso foi feito durante esse período. Você vê alguma alternativa à solução de Dois Estados?

Oz: Temo que não. Eu não acredito em estados binacionais. Existem exemplos maravilhosos disso, prósperos Estados multinacionais: Suíça, Suíça e Suíça. Em qualquer outro lugar – seja Chipre, Iugoslávia ou União Soviética, terminaram em um banho de sangue terrível.

Os palestinos não vão para lugar nenhum – não têm para onde ir. Os judeus israelenses também não vão a lugar algum – não têm para onde ir. Mas não podemos nos tornar uma família feliz, porque não somos. Então, temos que dividir a casa em dois apartamentos menores e aprender a dizer, “bom dia” no saguão todos os dias. Eventualmente, talvez nós possamos receber um ao outro para uma xícara de café. Mas precisamos desta casa geminada, uma unidade dividida para duas diferentes famílias.

Spiegel: Na nova edição de seu livro sobre a Guerra dos Seis Dias, você escreve no prefácio que depois de 50 anos de ocupação na Cisjordânia você vê mais apatia, dormência e indiferença na sociedade israelense de hoje. O que o levou a essa conclusão?

Oz: Correção: Eu não gosto que isso seja chamado de meu livro. Não é o meu livro. Juntamente com Avraham Shapira, sou apenas o editor deste livro, que é composto de testemunhos de soldados. Aliás, eu preferia o título antigo do livro, “Conversa entre soldados”. Mas sim, eu acho que a sociedade israelense está se tornando mais indiferente. Em 1940, Winston Churchill disse que a guerra deu à Grã-Bretanha sua melhor hora. Uma longa guerra está degenerando – arruína a mente, a alma e a psique dos indivíduos e das nações. Esse conflito sangrento vem acontecendo há muito tempo. Está fazendo coisas terríveis aos israelenses, para os palestinos. Uma das coisas terríveis que está causando é a indiferença. As pessoas dizem: “O que podemos fazer? Temos de levar até o dia seguinte e espero que vamos ficar bem amanhã como estamos hoje e, enquanto isso, aproveitar a vida”.

Spiegel: Você descreveu o que está acontecendo nas fronteiras da Cisjordânia como crimes de guerra. A maioria dos israelenses tem uma visão diferente.

APÓIE ISRAEL - LUTE CONTRA A OCUPAÇÃO

APÓIE ISRAEL LUTE CONTRA A OCUPAÇÃO

Corrompe o ocupante e, de maneira diferente, corrompe o ocupado.

SPIEGEL: O que você quer dizer com isso?

Oz: É errado tomar um menino de 18 anos e uma menina e armá-los com metralhadoras e torná-los o rei todo-poderoso de alguma pequena aldeia árabe. Nenhum jovem, e nenhum homem velho, tampouco, deve ter tanto poder sobre a vida e a morte de tantos indivíduos desamparados. Ele está corrompendo. Às vezes, provoca violência desesperada, selvagem e indiscriminada entre os ocupados.

A Guerra dos Seis Dias lançou um as bases de profundo ódio contra Israel, há 50 anos. Eu disse isso em um momento muito cedo na época, quando as pessoas estavam cantando a libertação da terra ancestral. Eu fui rápido em dizer que, independentemente do futuro destes territórios, liberados não o são, porque o termo libertação só se aplica a seres humanos e não à terra, não para o setor imobiliário. Obviamente, não libertamos os palestinos em Gaza ou na Cisjordânia. Nós os ocupamos, mas não os liberamos.

PAZ AGORA

PAZ AGORA

Spiegel: Você lutou no Sinai. Como essa experiência mudou você?

Oz: Eu nunca escrevi em nenhum dos meus livros sobre o campo de batalha. Eu tentei mas não consegui. Porque o campo de batalha é, em primeiro lugar, um ambiente cheio de cheiros horríveis. Sem imagens nem sons, apenas fedores.   Eles não viajam bem na literatura. Mas sim, a experiência me mudou, transformou-me em um militante obstinado da paz.

Spiegel: Você ainda tem memórias da guerra que continuam a causar-lhe sofrimento hoje?

Oz: Vou compartilhar uma com você. No primeiro dia da Guerra dos Seis Dias, eu estava sentado com outros homens, reservistas recrutados por Israel, numa encosta de uma duna de areia. De repente, cápsulas de morteiro começaram a explodir em nosso meio. Levantei os olhos e vi essas pequenas pessoas na colina oposta apontando e atirando em nós. Sabe qual foi meu primeiro instinto? Não foi de atirar de volta. Meu primeiro instinto foi chamar a polícia – essas pessoas são loucas! Eles não podem ver que há pessoas aqui? Esta foi a última resposta humana e saudável que eu tive no campo de batalha.

Spiegel: Investigações de corrupção estão sendo conduzidas contra o primeiro-ministro Netanyahu. Quão séria você acha que a situação é para ele?

Oz: Eu não invejo a situação de Netanyahu, porque eu acho que ele está em água quente. Obviamente, este homem tem um sentido totalmente diferente de moralidade pessoal do que alguns dos nossos líderes políticos anteriores. O que eu pessoalmente gostaria de ver? Gostaria de ver esse governo ir direto para o inferno. E eu teria gostado de ter visto o governo anterior ir direto para o inferno.

Spiegel: Ainda assim, grande parte da população continua a apoiar Netanyahu. Você acha que os israelenses são fundamentalmente menos críticos quando se trata de corrupção?

Oz: Eu não acho que os israelenses são menos críticos à corrupção do que as pessoas na Itália, França ou América. Israel é especial de uma maneira diferente. Há dois perfis em cada israelense. O primeiro é autoconfiante, agressivo e apaixonado, como em outras terras do Mediterrâneo. É hedonista, materialista e quase arrogante. O outro está aterrorizado, cheio de dúvidas existenciais. Esses medos não são infundados. Os judeus têm um poderoso aliado, os Estados Unidos, mas realmente não têm uma família maior, da mesma forma que existe uma família europeia ou uma família árabe-muçulmana. Pessoas que não conseguem entender esta ambivalência nunca entenderão este país. Eles não serão capazes de entender como Netanyahu poderia ganhar a última eleição, dizendo que os iranianos estão chegando, o Estado Islâmico está chegando, os árabes estão chegando, e todo o mundo nos odeia de qualquer maneira.

Spiegel: Você acha que Netanyahu pode sobreviver politicamente às investigações atuais?

Oz: Eu não sei. A resposta não está aqui. A resposta é que a democracia em muitas partes do mundo está passando por uma crise muito profunda. A política está se tornando um ramo da indústria do entretenimento. As pessoas não votam para o melhor líder, mas para o candidato mais engraçado.

SPIEGEL: Você está se referindo às eleições nos Estados Unidos?

Oz: Sim, mas não só. Também para o seu amado continente. Espero não ter de me referir à Alemanha.

SPIEGEL: Considerando todas estas circunstâncias, que esperança você tem para a paz no Oriente Médio?

Oz: O que é provável acontecer? Ou uma escalada de violência ou uma mudança inteira em todo o teatro do Oriente Médio. Pode muito bem acontecer, e digo isto aos meus amigos palestinos, que os palestinos tenham perdido, de algum modo, a sua hora. Eles tiveram seu momento em que a opinião pública do mundo estava com deles, e uma parte considerável do público israelense estava disposta a se comprometer com eles. Mas recentemente, com o ISIS e o fanatismo islâmico, tornou-se fácil para o governo israelense simplesmente remeter a luta palestina por autodeterminação às mesmas fileiras que estes movimentos fundamentalistas.

Spiegel: Isso significa que a solução de Dois Estados está morta, como muitos da direita em Israel já estão reivindicando?patriotic_peace_logo

Oz: Não. Mas é possível que um Estado Palestino seja instalado por cima dos palestinos. Poderia ser parte de um acordo entre o governo israelense e os Estados árabes moderados, e não entre Israel e os palestinos.

Spiegel: Como você descreveria o seu humor pessoal hoje em dia? Você está mais ou menos pessimista do que o normal?

Oz: Eu adoraria deixar aos meus filhos e netos um mundo melhor do que o que vou deixar. Mas, tendo em mente que eu nasci no mundo de Hitler, Mussolini e Franco, o legado que eu lhes deixar pode não ser tão terrível como o legado que meus pais e avós deixaram para mim.

 

[ entrevista de Amós Oz – escritor israelense e cofundador do Movimento PAZ AGORA –  por Nicola Abé e Britta Sandberg em Tel Aviv, publicada no Spiegel Online em 02|03|2017 e traduzida pelo PAZ AGORA|BR ]

Leia+ AMÓS OZ  AQUI  

Espalhe a mensagem de Paz:

Comentários estão fechados