A flotilha de Gaza e os limites da força

Amós Oz - Jerusalém tem que ser compartilhada

Amós Oz - Jerusalém tem que ser compartilhada

Por 2.000 anos, os judeus só conheciam a força na forma das chibatadas que lhes eram aplicadas. Há algumas décadas, porém, nos tornamos capazes de também exercer a força. Seu poder, no entanto, nos embriagou incontáveis vezes. Incontáveis vezes imaginamos que é possível resolver todo grande problema que encontramos por meio da força.

Como diz um provérbio, para o homem que carrega um grande martelo, todo problema tem jeito de prego. No período anterior à fundação do Estado, larga proporção da população judaica na Palestina não compreendia os limites da força e imaginava que fosse possível usá-la para atingir qualquer objetivo.

Por sorte, durante os primeiros anos de Israel, líderes como David Ben Gurion e Levi Eshkol sabiam muito bem que a força tem seus limites e cuidavam em não ultrapassar essas fronteiras.

Mas, desde a Guerra dos Seis Dias, em 1967, Israel sofre de uma fixação pela força militar. O lema é: aquilo que não pode ser realizado pela força pode ser realizado por uma força ainda maior. O cerco de Israel à faixa de Gaza é um dos fétidos produtos dessa visão. Origina-se da errônea suposição de que o Hamas pode ser derrotado pela força das armas, ou, em termos mais gerais, que o problema palestino pode ser esmagado em lugar de resolvido.

 

O HAMAS É UMA IDEIA

Mas o Hamas não é apenas uma organização terrorista. O Hamas é uma idéia. Uma idéia desesperada e fanática nascida da desolação e da frustração de muitos palestinos.

E idéia alguma jamais foi derrotada pela força nem por bloqueios, nem por bombardeios, nem soterrada sob as esteiras dos tanques de guerra ou atacada por forças especiais da Marinha. Para derrotar uma idéia é preciso oferecer uma idéia melhor, mais atraente e mais aceitável.

A única maneira de remover o Hamas é que Israel chegue rapidamente a um acordo com os palestinos para o estabelecimento de um Estado independente na Cisjordânia e na faixa de Gaza, tais como definidas pelas fronteiras de 1967, com capital em Jerusalém Oriental. Israel precisa assinar um acordo de paz com Mahmoud Abbas e seu governo e, com isso, reduzir o conflito entre Israel e os palestinos a um conflito entre Israel e a faixa de Gaza.

E o último só poderá ser resolvido, em última análise, pela integração entre o Fatah, de Abbas, e o Hamas. Mesmo que Israel capture uma centena de outros navios rumo a Gaza, mesmo que envie soldados para ocupar Gaza mais uma centena de vezes, não importa quantas vezes Israel use suas Forças Armadas, polícia e forças clandestinas, não haverá como resolver o problema.

 

NÃO ESTAMOS SÓS

O problema é que não estamos sós nesta terra – e os palestinos não estão sós nesta terra. Não estamos sós em Jerusalém e os palestinos não estão sós em Jerusalém. Até que nós, israelenses e palestinos, reconheçamos as conseqüências lógicas desse simples fato, viveremos todos em permanente estado de sítio: Gaza sob sítio israelense, e Israel sob sítio árabe e internacional.

Não desconsidero a importância da força. A força militar é vital para Israel. Sem ela não seríamos capazes de sobreviver nem por um dia. Ai do país que desconsidere a eficácia da força. Mas não podemos nos permitir esquecer nem por um momento que a força só é efetiva de modo preventivo, para impedir a destruição de Israel, proteger nossas vidas e nossa liberdade.

Cada tentativa de usar a força para fins que não sejam preventivos ou de autodefesa –  mas como forma de esmagar problemas e esmagar idéias – conduzirá a novos desastres como esse que causamos a nós mesmos em águas internacionais, no alto-mar, ao largo das costas de Gaza.

Espalhe a mensagem de Paz:

Comentários estão fechados